quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Ai se ele cai...também se ergue...









As brechas que o tempo não perdoa existem, o templo pode ruir a qualquer momento.
Morada de culpas lavadas na presença do Mestre, purificadas por améns e preces, e também o corpo pela medicinal água que corre a teus pés, sob ocultos caminhos que os crentes pisaram, hoje extenso silvado que arranha quem no tempo tropeçou e te esqueceu.
Desesperam: na torre, o sino há muito adormecido e, nas paredes, os vitrais sumidos ao passo das escamas paridas e decapitadas da palmeira, na ansia d'um restauro que alegre a esperança das gentes.
Emaranhados arbustos selvagens formam o amieiro, o teu ósculo envolto em tentáculos efusivos que te abraçam; e bombardeada és por soldados que, lutando hoje, mancham a tua fronte rugosa com balas pluricolor, matando a fome à vida selvagem que a tua mata abriga.

9 comentários:

Mare Liberum disse...

E assim vai a preservação do nosso património!Pouco a pouco perderemos a identidade perante a indiferença de quem nos governa.

Beijinhos

margusta disse...

Depois de me cruzar consigo nos comentários de blogs amigos, faz tempo , hoje resolvi vir fazer uma visitinha.
E, quanto ao seu post, não podia deixar de estar de acordo com a I. "Mare Liberum" . Subscrevo por inteiro o comentário dela.

Desejo-lhe um bom fim de semana,
Margusta

São disse...

Eis o mais perfeito simbolismo de Portugal: tudo caindo aos poucos...

Bom fim de semana.

Daniel Costa disse...

Jo Ra Tone

Belissimo texto e óptimas imagens equacionar um passado remoto, como se pode ver por este país fora.
Abraço
Daniel

Multiolhares disse...

Faz pena o passado se desmoronar sem dó nem piedade, a 2ª foto está linda
beijinhos

luar perdido disse...

Aos poucos ruimos como povo, como identidade, mergulhando no esquecimento...Um dia saberemos erguer-nos de novo...Ou talvez não...Onde andam as "vontades"?
Belas fotos João, faz pena ver o abandono a que o nosso património é votado.

Beijinho imenso

São disse...

Parece que descobri uma coisa: tu e a Fa Menor celebram 29 anos de casamento.

Ora aqui estou para vos desejar que continuem juntos na caminhada...r felizes junto a quem amam.

Ainda: quando regressas?

Um abraço (duplo).

Filoxera disse...

É pena, esta ruína.
Beijinhos.

Villager disse...

Na minha humilde opinião...ruínas, ainda que não sejam completamente restauradas ao seu antigo esplendor...pelo menos devem ser preservadas no seu estatuto de ruínas. Elas têm a sua beleza e o seu carácter especial. Como estas fotos documentam.