domingo, 14 de dezembro de 2008

Amigos de Peniche

Num determinado sábado, um grupo de ex-combatentes no ultramar reuniram-se escolhendo desta vez um restaurante próximo de uma pequena aldeia no sopé do Sicó (mais uma vez a serra do Sicó). Comeram, beberam, divertiram-se e depois, já noite, o regresso a suas casas. Estes a que me vou referir, não percorreram mais do que uma dúzia de quilómetros, quando por razões óbvias o condutor, fora de si, travando bruscamente: "Ou saem vocês ou saio eu". Os que queriam continuar a festa pela noite dentro, olharam um para o outro e pensando a mesma coisa, saíram, e o condutor arrancou em grande velocidade, levando os casacos, documentação e dinheiro.
Sem qualquer orientação neste local estranho, dirigiram-se a uma pastelaria, que estava a fechar, beberam mais qualquer coisa e perguntaram onde poderiam encontrar quem os transportasse a Peniche. Indicaram-lhes uma casa a quilómetro e meio, e estes andando mais que essa distância foram a um café onde beberam mais um brandy cada.
Bateram à minha porta e ao abrir vi dois estranhos acompanhados com os meus vizinhos, e um frequentador do café. Num breve instante contaram todo o sucedido e pediram-me que os levasse à sua terra. Alguém por detrás acenava para que não o fizesse, e houve mesmo quem tivesse ligado à GNR, dando conhecimento da situação, o que responderam que não se justificava a deslocação a este local. Eu acreditei logo à partida que não estava na presença de dois malfeitores, talvez pelas suas idades, tive pena deles e pedi à minha esposa que me acompanhasse na viagem. Conversando pelo caminho, um deles pediu para contactar com a família, o que logo me disponibilizei fazendo a chamada em mãos livres e logo ouvimos a conversa. Pediu que os viessem busca a Leiria (metade do caminho) e assim aconteceu. Lastimavam-se do sucedido e comentavam entre eles. "Fulano para mim cortou! Nunca mais!
E quanto a você, fico muito agradecido por ter confiado em nós! Um dia que passar por Peniche, pergunte pelo pai das gémeas, que toda a gente conhece, e eu ofereço-lhe um cabaz de sardinha!"
"Obrigado amigo, não é preciso um cabaz, um quilo é suficiente e não deixarei de o procurar, quando passar por esses lados."
Este foi um caso excepcional, e tenho a certeza que os penichenses continuarão como sempre a ser amigos de toda a gente.
Está a fazer um ano, por esta altura do Natal, que este caso aconteceu.



(O Presépio cá de casa)


Feliz Natal para todos!

15 comentários:

Sophiamar disse...

Um amigo de Peniche que contraria o sentido pejorativo da expressão. Afinal, em Peniche, como em qualquer sítio, há pessoas boas e pessoas más. Na serra do Sicó, há um bom homem. Bem-hajas, João!

Um Santo e Feliz Natal com saúde, paz, pão e muito amor.

Beijinhos

São disse...

É mesmo por estas e outras que nunca faço generalizações, pois são sempre injustas!
Boas Festas!

Filoxera disse...

Um novo amigo, e de Penivhe, eh, eh, eh.
Já vi que, apesar de não teres comentado, passaste no meu "canto". Fico atenta, a ver se gostaste do desafio.
Beijos.

Tiago R Cardoso disse...

Muito bem, ajudar sem nenhum problema , é o que falta a muita gente...

Pico minha ilha disse...

No Pico já esteve ao que parece, deve voltar pois é lindo.Um abraço do Pico

Carla disse...

és uma pessoa especial...nos dias de hoje são raros os que ajudam de uma forma tão pronta e desinteressada
beijos

Carol disse...

Ainda bem que ainda há pessoas assim!

LuzdeLua disse...

Poxa, que delicia de sentir.
Tive saudades de casa
Bjs e bençãos de Deus.

Senhor,
quero neste Natal
armar uma árvore dentro do meu coração
e nela pendurar,
em vez de presentes,
os nomes de todos os meus amigos.
Os amigos de longe e os de perto.
Os antigos e os mais recentes.
Os que vejo a cada dia e os que raramente encontro.
Os sempre lembrados e os que as vezes ficam esquecidos.
Os constantes e os intermitentes.
Os das horas difíceis e os das horas alegres.
Os que sem querer magoei ou, sem querer me magoaram.
Aqueles a quem conheço profundamente e aqueles que me são conhecidos apenas pelas aparências.
Os que pouco me devem e aqueles a quem muito devo.
Meus amigos humildes e meus amigos importantes.
Os nomes de todos os que já passaram pela minha vida.
Uma árvore de raízes muito profundas,
para que seus nomes
nunca mais sejam arrancados do meu coração.
De ramos muito extensos,
para que novos nomes,
vindos de todas as partes,
venham juntar-se aos existentes.
De sombra muito agradável,
para que nossa amizade seja um momento de repouso,
nas lutas da vida.

Que o Natal esteja vivo
em cada dia do Ano Novo que se inicia,
para que as luzes e cores da vida
estejam presentes em toda a nossa existência,
e concretizem com a ajuda de Deus,
todos os nossos desejos.

Feliz Natal!
Beijos com carinho

mara disse...

Jo
Podemos dizer que é uma linda história de Natal.
Obrigada pelas visitas e os meus votos de um Feliz Natal cheio de Paz e Saúde.
Bjs

Multiolhares disse...

Ainda bem que existem pessoas como tu prontas a ajudar
bom natal
beijos

Manuela Viola disse...

Feliz Natal e um excelente 2009 para ti e toda a familia.
Beijinho

Tiago R Cardoso disse...

Feliz Natal.

gotadevidro disse...

Em Quadra Natalicia deixo votos de um Natal lindo e feliz.

Um beijo e obrigada pela presença em meu blog

Carla disse...

Passei para desejar
_________________Paz
_______________União
______________Alegrias
_____________Esperança
____________Amor Sucesso
___________Realizações Luz
__________Respeito harmonia
_________Saúde solidariedade
________Felicidade Humildade
_______Confraternização Pureza
______Amizade Sabedoria Perdão
_____Igualdade Liberdade Boa sorte
____Sinceridade Estima Fraternidade
___Equilíbrio Dignidade Benevolência
__ Força Tenacidade Prosperidade Reconhecimento
_______________!!!!
_______________!!!!
_______________!!!!

beijos e BOAS FESTAS

Sophiamar disse...

Desejo-te um Natal cheio de saúde, amizade, pão na mesa, harmonia, amor...
Que o Ano Novo te traga tudo quanto desejas.

Mil beijinhos

Bem-hajas por tudo quanto de bom me deste. E foi tanto!