quinta-feira, 20 de março de 2008

O Dia de Páscoa

Na Sexta-feira Santa, faziam-se os preparativos para o dia de Páscoa.
Enquanto a minha mãe preparava a massa para os folares, eu e a mana íamos ao Outeiro da Senhora buscar abróteas e junco para espalhar pelas escadas até a porta de entrada, formando uma passadeira verde natural, por onde iriam passar o Sr. padre e o sacristão no Domingo de Páscoa, aquando da visita Pascal.
Ajudava sempre a minha mãe na confecção dos bolos, partindo os ovos e provando a massa do alguidar. Era colocado um ovo cozido em cada bolo entrelaçado com duas tiras de massa, e depois levados ao forno para cozer. Depois de tirados do forno, eu pincelava-os com azeite para ficarem mais brilhantes.
Chegado o domingo, íamos todos à missa.
Depois do almoço, sempre bem avantajado neste dia, com todo o tipo de guloseimas, vinha o compasso, avisado pela sineta. Era o momento mais difícil para mim. A opa vermelha, a cruz de metal prateado com os seus bicos, o ajoelhar na casa de fora em redor da mesa de centro, o beijar aquela cruz dada pelo padre, fria como gelo, eu mal sabia o significado de tudo aquilo… Em contrapartida, neste dia gostava de estrear roupas novas e uns sapatos. Depois de um ou dois minutos de conversa retiravam-se para correr outras casas. Lembro-me que o sacristão (pai da ti Maria) carregava com a carga das laranjas às costas, resmungando, porque nem todas as pessoas davam dinheiro.
Depois disso já podia ir a casa dos meus padrinhos buscar o folar. A minha mãe carregava-me com uma bolsa às costas com bolos, enfiada numa cana, e depois de algum tempo comendo e bebendo com os padrinhos, regressava a minha casa com outra sacada de bolos e alguns pacotes de amêndoas.

Folar da Páscoa
(Faça você mesmo)

Ingredientes:
1 Kg de farinha
250 g de manteiga ou margarina
35 g de fermento de padeiro
100 g de açúcar
3 ovos
5 dl de leite
Sal
1 colher de (café) de erva - doce
1 colher de (chá) de canela

Dissolva o fermento num pouco de leite morno e, com 200g de farinha, faça uma massa. Deixe-a levedar.
Entretanto, trabalhe a restante farinha com os ovos, o açúcar e o leite, até obter uma massa muito leve, bem enfolada, mas com bastante corpo. Adicione depois a margarina, sal, a erva-doce e a canela.
Trabalhe bem a massa e, por fim, junte-lhe o fermento que esteve a levedar. Amasse até a massa se desprender das mãos e do alguidar.
Cubra com um pano e deixe levedar durante 2 a 5 horas em local aquecido.
Decorrido esse tempo, divida a massa em bolas e achate-as. Sobre cada uma coloque 1 ou mais ovos com algumas tiras de massa.
Pincele com gema de ovo e coza em forno quente.

15 comentários:

luar perdido disse...

Conheco o panorama, e agora olhando para trás, fica uma certa nostalgia, tempos "sãos", de muita luta é certo, mas puros, simples, "humanos".

Votos de Boa Páscoa com o cheirinho do folar (que adoro!) acabado de cozer, e um beijo doce de muita ternura.

Villager disse...

Tal e qual como a Páscoa longínqua que recordo.
Feliz Páscoa!

Tiago R. Cardoso disse...

Sinceramente, tirando o fabrico, que não era lá em casa mas era em Aveiro na casa da minha avó, na zona das Gafanhas, esta recordação faz-me lembrar as minhas, muito bem.

Uma Santa Pascoa, para ti e para os teus, mas eu daqui a pouco vou ao outro lado reforçar.

Cátia disse...

E há aí um pouco de folar para mim? ;)

Uma Feliz e Santa Pascoa para si e para a família.

Abraço

jo ra tone disse...

Luar Perdido,

Villager

Tiago

e Cátia

Humm aquele cheirinho e gostinho, do folar acabado de sair do forno!
Quem não gostava de recuar a esses tempos,
Olhem, por aqui, por causa d'uns 3 ou 4 minutos, deixei torrar um pouco o folar.
Ficou apenas torrado no fundo.
Tirando essa parte, ficou muito bom ,
...É o que faz por vezes esta coisa dos blogs, o tempo passa a correr, sem dar conta

Fiz para todos, aqui fica uma fatia para cada um, depois digam se gostaram

Uma Boa Páscoa também para Vós

multiolhares disse...

Lembranças doces que nos acompanham,
Ainda hoje no norte essa tradição se mantêm
Obrigada pela receita
Uma doce Páscoa para ti
beijinhos

Sophiamar disse...

Meu querido Jo Ra Tone

Hoje, depois de ler o post, comi uma fatia de folar e fiquei mais docinha. Ahahahahahah!!!!!

Olha, lá na minha aldeia, também as coisas se passavam assim. Lá vinha o Sr.Prior com o Sacristão, beijávamos o crucifixo,dava-nos a bênção e, depois, partia, rumo às outras casas, carregadinho de coisas boas.

Deixo-te uma fatia de folar da minha aldeia. Sem receita. É segredo de família. Hummmmmmmm!!!!!

Mil beijinhossssssss

jo ra tone disse...

Multiolhares,

Sophiamar

Bom é que não desapareça esta doce tradição.
Mas se a malandra da asae pensar em procurar o segredo!

Olhem! Esqueçamos! e falemos de coisas alegres!

Beijinhos para Vós

São disse...

Que maravilha, estas recordações...
Desejo sinceramente uma doce Páscoa partilhada com quem te ama.

Filoxera disse...

Este relato não anda muito longe do que eu publiquei, a propósito do Domingo de Páscoa.
É bom "entrar" nas recordações de outros que, como nós, recordam estes tempos com nostalgia.
Beijos.

Sophiamar disse...

Voltei ao teu blogue e não dispensei a leitura da receita do folar. Nem o resto do post. Estas tradições não podem cair no esquecimento.

Beijinhossssss

Sophiamar disse...

Ora muito bom dia, Jo!
O folar � bom mas engorda um bocadinho.
H� que fazer regime porque n�o tarde est� a� a praia.
Que tal um novo post?
Bjinhossssss

Carla disse...

que saboroso este recuo no tempo...ah e obrigada pela receita
bjs

Carla disse...

que saboroso este recuo no tempo...ah e obrigada pela receita
bjs

Vieira Calado disse...

Já passou.
Mas vou guardar a receita para o próximo ano. Se não vier prái a bomba atómica...
Um abraço