terça-feira, 25 de março de 2008

"Vidas do mundo..."

O Ti Joaquim gostava do Centro de Dia. Tanto, que passado algum tempo fez com que a mulher o passasse a acompanhar, mas contrariada!
Bem… passou a acompanhá-lo, porque sabia que os frequentadores do Centro de Dia, iam regularmente à praia, e a praia para a ti Maria, era o melhor que lhe podiam oferecer.
“Malditas horas que nunca mais passam.” Irrequieta, ora se sentava ora se levantava, soprava e, outras vezes, para controlar a sua insatisfação, cantava tudo o que lhe vinha à cabeça: Ave-Maria de Fátima, as canções do seu tempo, tudo! Os outros idosos começaram a chatear-se com aquele comportamento, porque queriam fazer o repouso do almoço, recostados nos sofás.
Aquilo não era vida para ela. Quando não a levavam à praia, apanhava transporte depois do almoço e ia para casa. Outras vezes ia a pé... Perguntavam-lhe “Ó ti Maria, então já vai para casa e deixou lá o seu homem sozinho?”
“O que é que eu lá estava a fazer! Renda não faço! Bem basta o tempo que gastei quando era pequena a coser sapatos para o meu paizinho, que era sapateiro. Olha aqui para estes dedos todos tortos! Foi o jeito da agulha e da linha. Como eu ainda era muito tenra ficaram assim. Ainda se tivesse lá um bocado de terra para cavar! Não tenho paciência para estar lá sentada sem fazer nada. Fico danada só de ver que estão lá mulheres muito mais novas do que eu, e que podiam tão bem trabalhar, mas não lhes apetece… Atão!... Vidas do Mundo, Senhor… vidas do mundo!”

12 comentários:

multiolhares disse...

Existem pessoas que mesmo vendo o tempo passar, não conseguem ficar paradas, penso que isso é bom

beijinhos

Aran disse...

Nada melhor que sentirem-se uteis e activos por prazer... creio que lhes fazem bem ao espirito, á mente e ao corpo... qd ainda podem....
Jinhos e obrigada pelo o apoio ;)

São disse...

Revejo-me inteiramente nesta mulher activa e independente.
Abraço.

Tiago R. Cardoso disse...

Isto é que é força, como já não existe hoje.

Aguardo que me digas quando começas a escrever o livro com estes contos.

luar perdido disse...

Vitalidade pura esta Ti Maria! Como a entendo!!!!! Parada é que não, isso é a minha morte, só lá a praita é que não me convence muito, antes uma bela caminhada pelos campos ouvindo o vento nas searas, nas copas das árvores, as cigarras, os pássaros e o "silencio" da natureza.
Descrição real de uma mulher de mão cheia. Parabens, uma delicia, como sempre, e um banho de "mundo".

Beijo imenso

Sophiamar disse...

Esta ti Maria, Jo, faz-me lembrar sempre a minha av�. Dizia o av� que ela tinha bicho carpinteiro por n�o conseguir estar parada. Tamb�m � parecida comigo. Adoro praia, mar, nadar, gaivotas...

Beijinhossssss


p.s. Bom Trabalho!

LuzdeLua disse...

Bom ser bicho carpinteiro, nao cria ferrugem e ainda vive intensamente todos os momentos que a vida oferece.
Passando para te ler amigo, sempre com textos adoráveis.
Deixo-te um abraço amigo e bons desejos para o findi semana já.
Bjs

Carla disse...

histórias da vida que contas como ninguém
bom fim de semana
bjs

São disse...

Venho desejar feliz fim de semana.
Abraços.

neto disse...

É sempre bom ouvir aquele "Vidas do mundo, Senhor... "

São disse...

Vim saber novidades...
Tudo de bom!

São disse...

Reli com gosto.
Tudo de bom.