segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

O Flauzino e os ovos

O ti Joaquim diz-me que durante a sua vida tem apanhado muito peide-meste que fez dele um homem.

Por agora vou apenas contar uma passagem por ele descrita.
Havia um homem de nome Flauzino, que era um tanto maroto. Gostava de visitar as tabernas, comer umas buxas e beber uns copitos.
Entrando numa delas e aproveitando a ausência do taberneiro, foi ao tabuleiro dos ovos e tirou quatro. Saiu, e mamou-os a caminho de outra taberna, onde foi beber o seu copo habitual.
O taberneiro apercebendo-se da falta dos ovos, facilmente soube do autor do roubo. Levou-o à justiça com a melhor defesa que existia então na vila.
Flauzino, pobre como era pode apenas contratar como advogado de defesa, o diabo, que lhe apareceu no seu desespero.
A defesa do Taberneiro exigia uma indemnização pelo acto grave, porque os quatro ovos poderiam uma vez chocados, dar origem a quatro pintos; estes pintos far-se-iam galos e galinhas estas galinhas chocas punham mais ovos que depois… davam origem a inúmeras galinhas, ovos… e por aí fora... podiam dar até um aviário!
No dia da audiência, estando o tribunal reunido, a defesa de Flauzino, atrasado uma hora, entrou na sala como um trovão, ou não fosse ele o diabo! Todos se assustaram!
O Sr. Dr. Juiz perguntou-lhe "Só agora? Que justificação nos dá por tamanho atraso?"
- Saiba Vª. Ex.ª. Sr. Doutor Juiz, que na hora em que estava para vir para este tribunal lembrei-me que ainda tinha que cozer um alqueire de favas, para os meus criados irem semear amanhã!
O defesa do taberneiro perguntou "Então favas cozidas podem dar favas?!!! "

Sabem a resposta do diabo, defesa do Flauzino?
E o resultado desta contenda?

7 comentários:

Tiago R Cardoso disse...

Gostei imenso de ler esta pequena historia, como é rico o nosso universo literário popular, onde os conto e historias passam de boca em boca, mantendo a sua enorme riqueza...

quintarantino disse...

Hum... em sendo o juízo sábio absolvia o homem. Mas estando a Justiça como está, aposto que condenou o advogado por desrespeito ao Tribunal numa pena pecuniária.

Maria Luar disse...

A lua quis inundar
a noite de prata feita
E encontrou no teu olhar
Laivos de paixão liquefeita

Os búzios sonantes de amor
Aos teus ouvidos cantavam
És feliz, meu sonhador
E os teus beijos soavam

*
abracinho
*

Rosa Maria disse...

Apesar de conhecer esta história é sempre um prazer reler.
Quanto à resposta do defesa do Flauzino, não imagino mas deve ter ficado calado porque se favas cozidas não podem dar favas ovos cozidos também não podem dar pintainhos :):)

Beijinhos

luar perdido disse...

História popular muito a meu gosto. Rica como é hábito cá pelos nossos lados.
De momento, e respondendo à tua pergunta, é uma amiga meia triste sim, mas todos os dias o sol nasce e voltarei a olha-lo com olhos de VER. Digamos que estou em fase de lágrimas de luar, mesmo.
E...Desde quando é que ovos cozidos dão pintos????

Beijo doce para dobrarmos bem o "cabo das tormentas"

Fa menor disse...

Eu acho que galinhas chocas não põem ovos... por isso...
(mas os ovos eram cozidos?)

jo ra tone disse...

Muito bem.
Conhecem a história, mas penso que não está lá muito completa.Por ex.fa menor também
não sei se os ovos eram cozidos~.Luar perdido, não está mau de todo por aí ainda bem,Isso, isso para transformar "tormentas "em "esperança".
Rosa Maria. acertou.Mas tb não sei se as galinhas estando chocas põem ovos! Penso que foi mais uma gaff.
Maria Luar, sou muito sonhador, pelo menos de madrugada.
Quint(arantino), creio que tudo acabou da melhor forma.
Tiago esta histórias continuam a ser boas até para contar aos mais novos.

Bem hajam para todos